Artigos

E quem disse que a vaidade é algo atual?

23 de janeiro de 2014

A preocupação dos seres humanos com relação à beleza facial provém de longas eras. Nenhum outro órgão poderia chamar mais atenção no rosto do que o nariz. Sendo assim, irei tecer algumas curiosidades e histórias pouco conhecidas a respeito dessa tão fascinante cirurgia nasal: a rinoplastia.

Tudo começou há 2200 anos a.C., quando foi escrito o papiro de Edwin Smith, encontrado em 1862 na cidade de Tebas, no Egito. Nele, já haviam menções de operações plásticas realizadas no nariz.

Do mesmo modo, o livro de Sushruta, o Ayurveda, fonte da cirurgia ariana e compêndio científico e sagrado de 2000 anos a.C., faz referências aos Koomas (casta Hindu): oleiros de profissão para uns e casta de sacerdotes para outros. Os Koomas praticavam a difícil arte da reconstrução nasal. Para a correção de certos acidentes, os hindus empregavam enxertos retirados das nádegas.

O nariz sempre teve mais destaque por ser um símbolo de beleza, habilidade e qualidade de caráter.

A cirurgia hindu começou a declinar mais ou menos em 500 a.C. O próprio Hipócrates (500 a.C.), considerado o “pai da medicina”, preocupou-se com as cirurgias no nariz. Dizia que, nos casos de fraturas, o nariz deveria ser remodelado imediatamente. As bandagens deveriam ser feitas com elegância.

Alguns anos antes do nascimento de Jesus Cristo, Aulus (Aurelius) Cornelius Celsus marca época na história da cirurgia nasal com seus trabalhos inovadores. Celsus, que pode ser chamado de “pai da cirurgia plástica”, no seu livro “De Re Medica”, escrito no ano 30 depois de Cristo, encontramos uma segunda referência histórica da especialidade, sendo este o documento médico mais antigo depois dos manuscritos de Hipócrates.

Depois de Celsus aparece Antyllus, que reproduziu algumas operações da especialidade baseando-se muito provavelmente nos trabalhos de Celsus. Segue-se Claudius Galeno, que nasceu em Pérgamo, na Ásia menor, e foi o maior médico grego depois de Hipócrates. A infalibilidade das suas teorias foi sustentada por Leonardo da Vinci e Vesalius, entre outros.

A queda do Império Romano pela invasão bárbara, mergulhou todo o velho mundo num estado caótico incrível, que veio logo após a morte de Galeno. O que se conhecia sobre cirurgias de nariz até então foi esquecido. Voltaram as penas e castigos por Bizâncio e, assim, ressurge a arte da rinoplastia.

 

Dr. Rodrigo Lacerda
Cirurgião Plástico Especialista pela Sociedade
Brasileira e pelo Conselho Regional
e Federal de Medicina